13 agosto 2016

Fôlego



Não sei não
Não sei mesmo
As vezes penso que nunca vou saber
E na maioria das vezes, nem quero saber.

E mesmo com olhos pendidos
Perdidos
Rendidos
Insisto
Nas
Mesmas
Perguntas

Fôlego

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, marujo! Agradeço desde já pelo seu comentário, é muito legal saber o que acham das postagens. Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa retribuir o comentário.