26 junho 2016

Jonny - Quarto Episódio



2018

-Cara, temos que ir! 
-Qualé ....! A noite é uma criaaança! Nunca ouviu isso?
Jonny cambalhotava para todos os lados vindo em minha direção, e se estivesse um pouco mais distante, não seria apanhado por mim. Não se aguentava em pé, mas parecia estar mais cansado do que bêbedo. 
-Hora de ir para casa irmão. -Eu disse e o levei para o carro.
Jonny manteve seus olhos baixos durante toda a viajem, cutucava o adesivo da garrafa de cerveja e não dizia palavra alguma, isso me pareceu  questionador. Foi então que avistei uma colina bem como aquelas que, no nosso tempo de colégio, gostávamos de ir. Parei o carro e o levei até lá, para relembrar o sentir daquela brisa fria. Deitamos sobre a grama, ele sorria, feliz com o vento que soprava seu rosto. Eu também me sentia feliz.
-Era tudo que eu precisava. -Ele disse, sem olhar para mim, mas vi verdade. -Obrigado.
Ele virou a garrafa na boca com longos goles da bebida que parecia o acolher. Fechava os olhos e jogava sua cabeça para trás, parecia estar perdido em seus próprios pensamentos. Decidi me perder também.

2040

A  pobreza hoje é uma opção. Creio que antes de muitos acontecimentos ninguém imaginava que essa frase seria real. Bom, claro que em troca da sua miséria é tomado seu caráter, mas isso são detalhes... Afinal, o mundo tem que evoluir! O que é de fato evoluir?
Certa vez, creio que em 2017 ou 18, eu e Jonny nos divertíamos em uma festa até ele ficar completamente bêbedo. Sei que no fim das contas formos parar em uma colina, onde ficamos por um tempo sem fazer nada. E quando resolvemos voltar para o carro, vi uma cena um tanto irritante. Eu estava em direção ao carro quando me virei para checar se Jonny me seguia, e o vi de joelhos no chão, encolhido como se estivesse assustado a pouca distancia de mim. Ele chorava... um tipo de choro baixo e intenso. Fiquei chocado, preocupado, triste e confuso. Eu não sabia o que fazer! Perguntar o porquê das lágrimas? Ou somente abraça-lo? Devia ter simplesmente o colocado logo no carro? Sofri por um instante. Me aproximei dele sem dizer nada, e ele levantou os olhos encharcados para mim, seu rosto estava vermelho, parecia sentir dor. Ele sentia dor, mas não aquele tipo que pode ser resolvida com esparadrapos e agulhas... E foi então que ele me perguntou, entre soluços e lágrimas. "Luige... v-você acredita na existência de Deus?".
  É incrível como muitas vezes nos desligamos sem perceber, e simplesmente deixamos de perguntar ou querer saber o que se passa na vida do outro, como anda a saúde ou se foi um bom dia para alguém. Naquela noite descobri que o Jonny passava por momentos difíceis na família, seus pais queriam se divorciar e seu irmão mais velho havia sido preso naquele dia por suspeito de  vender drogas. Ele não devia sair de casa e muito menos ir a uma festa, mas ele queria encarar os piores problemas da forma mais banal existente. Fugindo deles. E aquela pergunta... Nunca fui um cara chegado a religião, mas sempre acreditei em um ser maior que tudo, um criador. Naquela noite o acalmei e o levei embora, mas agora compreendo Jonny, ter a fé abalada é realmente perturbador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, marujo! Agradeço desde já pelo seu comentário, é muito legal saber o que acham das postagens. Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa retribuir o comentário.