06 janeiro 2016

Segundo Episdio Jonny



2014

-Vai presentear seu pai nesse dia dos pais? -Perguntou ele, fuçando minhas coisas.
-Não faço a menor ideia do que dar ao meu pai.
-Comprei uma vara de pesca novinha pra meu pai, ele vai amar! Sabe, quando eu ter um filho irei batiza-lo como Leandro, o nome do meu avô. -Ele falava orgulhoso.
-Eu não estaria exagerando se dissesse que a ultima vez que fiquei com meu pai foi no verão passado. Sinto falta disso...
-Ótimo! Prepare um dia com tarefas legais somente para você e seu pai. Cara, culpar o tempo pela distancia entre nós e as pessoas que amamos é tolice! A família é o nosso porto seguro, não se deve deixa-la pra mais tarde.
Pensei e repensei sobre, e acreditei que Jonny tinha certeza. Talvez eu devesse mesmo impressionar meu pai, quem sabe assim ele se aproxime mais.
-É, acho que você tem razão... -Sorri

2040

Não tenho filhos, creio que essa foi a escolha mais dolosa da minha vida. Pois sei que um sorriso de uma criança iluminaria esse meu mundo acinzentado, mas seria como planejar a morte do amor verdadeiro. Minha esposa e eu decidimos isso quando as coisas pioraram. Nunca comentei isso com ninguém, mas era um desejo meu ser pai, ser tudo aquilo que meu pai por uma escolha boba de se preocupar com nosso conforto, deixou de me oferecer. Queria ensinar alguém a empinar pipa, levar em um estadio de futebol, brincar no boliche. Se bem que isso seria impossível... creio que nenhuma criança acredita que este lugar um dia já foi o país do futebol. Até mesmo a nossa cultura (que mesmo desorganizada em alguns fatores) foi tirada de nós, por eles... e até mesmo eu, que detestava o Carnal, sinto falta. O que fizemos de errado?

2014

Jonny segurou meu ombro e encarou-me nos olhos. Eu estava congelando-me por dentro, sentia que meu coração queria pular para fora.
-Ela tá te esperando. -Ele disse. -Fique calmo e vê se não faz besteira.
Era fácil ele dizer aquilo, havia beijado uma garota com 14 anos! Enquanto a mim... isso. Respirei fundo e fui, mas senti uma mão me puxar novamente.
-Cara, essa não é a primeira garota que você vai beijar... bom, na verdade é. Mas ela não será a única! Não precisa levar isso tão a sério, haverá mais pela frente então guarde um pouco desse nevosismo para elas.
Tentava encontrar o que me entregava, talvez as mãos tremulas? Bom, a verdade é que Jonny estava certo, e parecia não haver outra pessoa no mundo para me acalmar melhor que ele naquela hora. Beijei a Elisabete Miler, ela tinha gosto de tutty-fruity.

2040

Minha sorte grande foi encontrar Melissa, minha esposa. De toda as garotas que eu beijei, ela foi... ah foram tantas! Mas ela foi a melhor de todas, disso tenho certeza. Hoje em dia os casais são formados na maioria das vezes pelos interesses entre elas em relação ao futuro, e somente isso. A escolha por uma pessoa ideal se tornou mais difícil, já que o conceito de ideal muda com o tempo. Não há mais aquilo de curtir alguém, se divertir com os beijos, se apaixonar feito louco! Aquelas emoções idiotas e incontroláveis que eram tão boas... Não há amor, apenas interesse, não no outro ou no que o outro tem, mas no que ele pode oferecer, isso pode até parecer romântico mas acredite, não é nada disso. O foco da humanidade agora e evoluir, as vezes creio que eles querem acabar com a própria especie para a criação de outra melhor. Evolução, evolução, evolução todos em busca da evolução! Somente, estão ocupados demais para sentir algo diferente. Não tem mais aquele reencontro de olhares, ou as mãos tremulas. Era tão bom tentar descobrir o mist´rio do amor, passando pelas lacunas da loucura e da paixão... esse tempo se foi. Se Melissa estivesse comigo hoje... mas sei que onde quer que ela esteja, é melhor que aqui.
Eu tive a sorte de viver um pouco fora desse padrão, de respirar o ar distante das fabricas. Correr por diversão, sem me preocupar em ser confundido com algum fugitivo ou andarilho. De namorar até tarde da noite, de curtir festas e bebidas. De ter opções e escolhas. De ser olhado por alguém na rua, e ir em parques de diversão. De confiar em alguém, alguém esse chamado Jonny, que me fez vivenciar a maioria das minhas melhores lembranças. Ah como eu sou grato! Mesmo hoje me encontrando com os olhos vendados, sei que muitos nunca  tiveram a oportunidade de ver além do que os mostram... Ah! Como eu sou grato a ti... amigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, marujo! Agradeço desde já pelo seu comentário, é muito legal saber o que acham das postagens. Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa retribuir o comentário.