12 janeiro 2016

Palavras repetidas


Os teus olhos não se erguem mais
E não encontram uma única direção
Tua voz se cansa ao transmitir
Palavras repetidas

Mesmo manco e de frases falhadas
Compreendia o mundo de forma leve
E era com os sons de seus tambores
Que a criança em mim se alegrava

Meninos que derrotam gigantes
Homens que voltam a ser crianças
Lembranças que se apagam
Pessoas que viram lembranças

Sei que um dia poderá não se lembrar
De meu nome, ou... de mim
Mas o passado ainda vive
E em algum lugar, estou fazendo musica
Junto a ti

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, marujo! Agradeço desde já pelo seu comentário, é muito legal saber o que acham das postagens. Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa retribuir o comentário.