06 novembro 2015

Eu os observo


Eu os observo 
E absorvo cada informação 
São seus movimentos que os entregam
Me fazendo inventar várias personalidades.

Suas curvas 
O formato de seus rostos
Cada onda que se forma na pele
Cada estilo diferente que se combina com um só olhar.

Não, eu não me canso
E nem disfarço 
O que é belo deve ser contemplado 
Sem medo de dizer, fitar ou imaginar.

Os persigo e é automático
Não quer dizer que espero ou quero algo
Se bem que "algo" não seria ruim
Mas não é exagero os comparar com uma bela pintura, escultura.

Não quero ser nenhuma abusada
Nem mesmo me fazer de indecente
Mas as emoções devem ser correspondidas
Pois para os olhos a gente não mente.

Observo
Admiro
Miro
E não disfarço.


2 comentários:

  1. Há dias eu venho aqui, observo a imagem, leio a poesia e escuto a música... E me identifico cada vez mais com essas palavras. E a cada vírgula minha mente vaga por memórias de tantas "esculturas". E ao ler eu também me sinto mais corajosa, mais apta a admirar essas obras sem constrangimentos.

    ResponderExcluir
  2. E finalmente eu comentei, depois de tantas vezes vir aqui, ler esse post e não conseguir expressar com exatidão o quanto me identifiquei com a poesia.

    Dois comentários sim, porque teu talento merece u.u

    ResponderExcluir

Olá, marujo! Agradeço desde já pelo seu comentário, é muito legal saber o que acham das postagens. Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa retribuir o comentário.